quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A capacidade de ultrapassar as fronteiras ideológicas

Centenário do nascimento do escritor de Alves Redol, um dos mais importantes nomes do Neorrealismo português, celebra-se hoje. Quando, em 1939, Alves Redol publica Gaibéus, obra inaugural da literatura neo-realista, Salazar tinha já feito descer a mão de ferro do regime: estavam proibidos os partidos políticos, existia uma Constituição de inspiração fascista, uma polícia política e a prisão do Tarrafal. O livro, mais do que um retrato sobre luta de classes na lezíria ribatejana, afirma-se como uma leitura profética do espírito do tempo e mostra que este autor é dono de uma obra de grande observação da realidade social que ultrapassa as fronteiras ideológicas.

"Não é difícil entender-se o que escrevo e porque escrevo. E também para quem escrevo. Daí o apontarem-me como um escritor comprometido. Nunca o neguei; é verdade. Mas também é verdade que todos os escritores o são."


in FANGA


"Vocês, os mais novos, vão encontrar belas coisas para fazer... Nessa altura, se o merecer, lembrem-se de mim."


in Jornal República, 1963
LinkAlves Redol (Website)

2 comentários:

driftin' disse...

«Agora, que nos labirintos da vida se confundiram a tua voz e a ternura insubmissa com que alumiaste o nosso encontro, agora, sim, agora posso dedicar-te um romance.»

Alves Redol

Avelaneira Florida disse...

(re)Visitando dias atrás a Exposição sobre Redol, em VFX, ficou a vontade de (re)visitar a sua escrita...
E lá fomos...pelo Tejo...com AVIEIROS!!!!!
Sempre a reler, a sentir, a partilhar...

TUDO DE BOM!